sábado, 18 de setembro de 2010

dores domésticas

era assim a mulher, tão incompleta que se sentia feliz quando o marido adoecia, só por ter de quem cuidar.

* * *

ao ver a mesa arrumada, os pratos alinhados sobre a toalha quadriculada, a comida fumaçando sobre os descansos das panelas, sentiu um medo que não soube explicar.

* * *

a música começou a tocar quando ela mexia, no colo, a massa do bolo de chocolate. era tão perfeita a música e era tão ingrediente daquele bolo, daquela cozinha onde o marido abria uma garrafa de vinho, cigarro fazendo nuvem no cinzeiro, que ela ficou aterrorizada.

4 comentários:

  1. Carol, vc precisa retornar mais vezes aqui... Seus textos são ótimos.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Carol, vc precisa atualizar seu blog, por que vc escreve muito bem. Vc, não escrevendo quem perde somos nós.Estou aqui lhe convidando a visitar o meu blog, e se possivel seguirmos juntos por eles. Estarei lá, esperando por vc.
    um abraço de verdade.
    www.josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. estou em falta com esse bloguinho, eu sei, e agradeço a cobrança amigável :)
    é que estou trabalhando demais. também estou em falta com leituras, adhemir sabe disso... rs
    mas vamo que vamo. que nenhum de nós pare!
    beijos.

    ResponderExcluir
  4. essas cenas domésticas são tão, tão reais que que estão acontecendo agora em todo o mundo. e o leitor fica observando ali do canto, debaixo do batente da porta, já prevendo o que vai acontecer.

    ResponderExcluir