sábado, 25 de dezembro de 2010

dores domésticas 2

depois do sexo, o mal estar. o quarto folheado de eu de ele de ele. uma atmosfera grossa e gordurosa. eu saía em seguida, sem palavra. ele dormia ou virava de lado na cama e fingia dormir. eu me vestia e saía, o menor ruído possível. nem tomava banho, levava a sujeira comigo. como punição, como troféu.


***

estou passando mal, disse ao marido. ele, mais incrédulo que preocupado, mais doença que remédio, quis saber do quê. estou passando mal de mim mesma, disse a mulher.

Nenhum comentário:

Postar um comentário