terça-feira, 19 de junho de 2012

ainda

a impureza do branco sob os meus sonhos encardidos. o nome riscado na mesa. a toalha manchada. a roupa que perdeu a forma. o corpo que perdeu o jeito.

é preciso sangrar - ainda que em gotas
é preciso chamar - ainda que em silêncio
é preciso partir - ainda que para voltar ao mesmo lugar

Nenhum comentário:

Postar um comentário