segunda-feira, 20 de agosto de 2012

jasper johns

era um círculo numa superfície lisa e ela não sabia se era a base de um copo ou um alvo demarcado num mapa. bandeiras brancas indicavam nações sem pátria, postos prontos a te receber. ruídos azuis riscavam a programação do rádio, vozes anunciavam músicas que não chegavam a tocar.

na galeria, a mão que rasgava a tela também misturava as cores e as manchetes do jornal, a alta da inflação, o crime de corrupção em brasília, a volta do litoral no fim do feriadão, a última pesquisa para as eleições. o tempo escorria pela margem, tal lágrima escura. a vida se espalhava feito mancha entre os quadros.

ela não estava em cartaz.